RIVERO, Andréa (*). MEKSENAS, Paulo (**). Núcleo de Estudos da Educação de 0 a 6 Anos, Departamento de Estudos Especializados em Educação, Centro de Ciências da Educação. A infância na visão dos professores de educação infantil.


O presente trabalho estrutura-se a partir da compreensão da criança como sujeito histórico e social e, portanto, como um ser que se encontra inserido ativamente no contexto que o cerca. Conhecer a concepção de infância dos professores de educação infantil significa aprofundar o conhecimento sobre a pedagogia que é posta em prática com crianças de 0 a 6 anos. E esse aprofundamento, a nosso ver, se reveste de significado ao procurar subsidiar a construção de uma prática pedagógica que considere a inserção social da criança e, que passe a tratá-la em sua dimensão histórico-social. Com o objetivo de contribuir para a discussão sobre as práticas na educação infantil, procuramos relacionar a concepção de infância dos professores com sua prática pedagógica. A pesquisa em questão incide sobre a realidade da rede municipal de ensino de Florianópolis, escola Professora Judite Fernandes de Lima (NEI). Este universo de pesquisa é oportuno, pois, em se tratando de um estudo de caso propomos a compreensão dessa realidade particular em profundidade, o que nos leva a adotar uma metodologia de cunho qualitativo. A pesquisa teve seu início em março de 1995, sendo os primeiros cinco meses dedicados à elaboração do quadro teórico. Nos meses subseqüentes, preparamos os instrumentos de pesquisa e visitamos a escola, onde realizamos observação participante, entrevistas semi-dirigidas e verificação de documentos escolares. No momento, efetuamos a análise dos dados obtidos, procurando delinear a forma do relatório final. Algumas conclusões, ainda em elaboração, já podem ser adiantadas: a) A questão do gênero: os sujeitos investigados apresentam uma concepção a-histórica de infância, no sentido de não perceberem o contexto social que produz diferentes inserções da criança no mundo infantil, a partir do gênero no qual se inscreve, ou seja, o significado de ser menino ou de ser menina na sociedade brasileira; b) A construção da diferença: a pesquisa aponta para o fato de que a "criança-problema" , constitui-se a partir do processo de interação professor-aluno, produzido no interior da escola; c) A infância ontem/hoje: os professores, no campo de suas representações, apontam para as diferenças entre o significado de infância no passado e presente, tendo como modelo a infância que os informantes vivenciaram, atribuindo a esta um sentimento idílico de liberdade e natureza. Ao referirem-se à condição da infância atual, reportam-se aos seus filhos, ressaltando a ausência de liberdade, onde a vida em contato com a natureza é substituída pelos brinquedos eletrônicos.

(*)Pesquisadora principal e apresentadora
(**)Orientador

APANHE AQUI RELATÓRIO MAIS DETALHADO  ( 44 K - zipado) 


Voltar:  Resumos
Voltar:  Página Inicial - NEE0A6