ATIVIDADES DE INCENTIVO À LEITURA EM BIBLIOTECAS ESCOLARES

http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/leitura.html
Araci Isaltina de Andrade
Universidade Federal de Santa Catarina/Departamento de Biblioteconomia e Documentação
Campus Universitário - Florianópolis - SC E-mail: araci@ced.ufsc.br
Ursula Blattmann
Universidade Federal de Santa Catarina/Departamento de Biblioteconomia e Documentação
Campus Universitário - Florianópolis - SC E-mail: ursula@ced.ufsc.br
 
 

RESUMO

Relata o projeto desenvolvido em 3 bibliotecas de escolas de ensino de 1º grau de Florianópolis. Objetivo centrado em desenvolver atividades de incentivo à leitura de forma integrada ao processo de ensino-aprendizagem. A revisão de literatura concentra-se sobre atividades de incentivo a leitura em bibliotecas escolares. Apresenta as atividades desenvolvidas com as crianças e professores das escolas. Os resultados mostram mudanças do corpo docente referente aos serviços prestados pela biblioteca e reconhecem a importância da biblioteca no incentivo da leitura.
 

Palavras-Chave: Biblioteca escolar. Hábito de leitura.

 

ABSTRATC

This papers presents the results about the project  incentive reading at schools libraries in 3 public schools at Florianópolis. The objective is  developing reading habits for children in the fundamentals years, integrating the learnig process. The literature review is about incentive reading habits and school libraries. Shows some activities with childrens and teachers at the school library. Some conclusions demonstrate fundamental changeover about the teachers views and the importance of library for reading activities.

Key-words: School libraries.  Reading habit.

1 INTRODUÇÃO

As atividades que estimulam o hábito da leitura, o conhecimento dos diferentes tipos de fontes informacionais (livros, revistas, dicionários, entre outras) e a utilização metódica para obtenção de material bibliográfico são fatores que influenciam o aprendizado nos seus diversos momentos da vida.
 Os serviços bibliotecários de incentivo à leitura para alunos de 1ª a 4ª séries, integrados ao processo de ensino aprendizagem, favorecem o desenvolvimento e consolidação do hábito de leitura nas crianças.
 Pelo fato, das  bibliotecas escolares existentes em escolas municipais e estaduais apresentarem dificuldades para a realização de atividades pedagógicas no processo de promoção da leitura, verificou-se  a necessidade de criar um  projeto que tornasse viável o planejamento e execução de atividades de incentivo a leitura junto aos alunos de 1ª a 4ª séries, de forma integrada ao processo de ensino-aprendizagem.
 Em 1995, teve início o projeto intitulado "Atividades de Incentivo à Leitura em Bibliotecas Escolares", com o apoio financeiro da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, tendo como proposta desenvolver atividades de incentivo à leitura em Bibliotecas Escolares das Escolas Municipais de Florianópolis, concentrando as atividades nos alunos de 1ª a 4ª séries do ensino de 1º grau. O projeto foi executado na Escola Básica Beatriz de Souza Brito -  Bairro Pantanal. Em 1996 na Biblioteca da Escola Desdobrada Jacinto Cardoso - Bairro Serrinha. E em 1997, no Colégio Estadual Simão José Hess, localizado no bairro Trindade,  todos no município de Florianópolis.
As atividades propostas, foram executadas com a colaboração de alunos-bolsistas do curso de Biblioteconomia da UFSC e anualmente as atividades foram descritas em relatórios elaborados pelos bolsistas e pelas coordenadoras do projeto (Andrade, 1997 e Blattmann, 1996).
 

2 OBJETIVOS

O objetivo geral consiste em desenvolver atividades de incentivo à leitura em bibliotecas escolares das escolas do ensino de 1º grau de Florianópolis e como objetivos específicos destacam-se:
· Obter  informações  sobre as atividades desenvolvidas na promoção da leitura nas escolas pelas bibliotecas escolares e professores.
· Realizar a hora do conto nas turmas  de 1ª  a 4ª séries do primeiro grau.
· Desenvolver atividades pedagógicas junto com professores baseadas em histórias infantis na hora do conto.
· Demonstrar aos professores e alunos as possibilidades dos acervos organizados em bibliotecas no processo de ensino-aprendizagem.
· Demonstrar aos professores e alunos as possibilidades dos serviços de uma biblioteca escolar no estímulo ao desenvolvimento do hábito de leitura e da pesquisa.
· Proporcionar aos participantes do projeto (alunos, professores e bibliotecários da escola, alunos e professores do Curso de Biblioteconomia da UFSC) a oportunidade de desenvolver experiências referentes a promoção da leitura através de atividades pedagógicas, integrando teoria e prática.
· Diversificar os meios de incentivo à leitura, utilizando jogos, sucatas e dramatização.
· Conscientizar alunos e professores do seu papel na formação da biblioteca escolar.
 

3 REVISÃO DE LITERATURA

 O desenvolvimento das novas tecnologias, nas últimas décadas, vem afetando todos os setores da atividade humana, proporcionando maior agilidade de comunicação, reduzindo esforços nas rotinas diárias e ampliando as possibilidades de acesso à informação em todo mundo.
 Para que a escola tenha o desenvolvimento desejado é necessário a utilização de recursos que facilitem a integração e dinamização do processo ensino/aprendizagem e entre os recursos existentes, destaca-se a biblioteca escolar, instrumento indispensável como apoio didático pedagógico e cultural, e também elemento de ligação entre professor  e aluno na elaboração das leituras e pesquisas.
 Ribeiro (1994, p. 61) afirma que "a biblioteca possibilita acesso à literatura e as informações para dar respostas e suscitar perguntas aos educandos, configurando uma instituição cuja tarefa centra-se na formação não só do educando como também de apoio informacional ao pessoal docente. Para atender essas premissas a biblioteca precisa ser entendida como um ‘espaço democrático’ onde interajam alunos, professores e informação. Esse espaço democrático pode estar circunscrito a duas funções: a função educativa e a formação cultural do indivíduo"
  Castrillon (apud Mayrink, 1991, p. 304)  apresenta uma conceituação abrangente de biblioteca escolar  "é uma instituição do sistema social que organiza materiais bibliográficos, audiovisuais e outros meios e os coloca à disposição de uma comunidade educacional. Constitui parte integral do sistema educativo e participa de seus objetivos, metas e fins. A biblioteca escolar é um instrumento de desenvolvimento do currículo e permite o fomento da leitura e a formação de uma atividade científica; constitui um elemento que forma o indivíduo para a aprendizagem permanente, estimula a criatividade, a comunicação, facilita a recreação, apoia os docentes em sua capacitação e lhes oferece a informação necessária para a tomada de decisões em aula.  Trabalha também com os pais de família e com outros agentes da comunidade".
 A biblioteca é um centro ativo da aprendizagem. Deve ser vista como um núcleo ligado ao esforço pedagógico dos professores e não como um apêndice das escolas. A biblioteca escolar deve trabalhar com os professores e  alunos e não apenas para eles. Mas na grande maioria das vezes, segundo Sanches Neto (1998) a biblioteca é encarada como um anexo da escola, quando na verdade, ela deveria ser a sua alma.
 Segundo Freitas et al (1986, p. 35) "a falta de hábito de alguns professores em utilizar livros como recurso de ensino-aprendizagem demonstrou que a metodologia por eles utilizada, sem a orientação do grupo, poderá provocar nos seus alunos uma certa rejeição pela leitura com lazer".
  "O hábito da leitura constitui-se em preocupação dos professores. No entanto, eles encontram dificuldades para implementação, porque não dispõem de recursos bibliográficos. A própria formação de magistério é feita na maioria das vezes desprovida da prestação de serviços bibliotecários adequados, característica das escolas brasileiras". (Freitas et al., 1986, p. 37)
  Para Calixto (1994, p. 59 ) o processo de ensino  e aprendizagem envolve hoje um conjunto de componentes e relações de que os pedagogos tem vindo a dar-se conta nas últimas décadas. Elas poderiam sintetizar nos seguintes pontos:
"- a escola já não é hoje o principal centro de aprendizagem das crianças e jovens. Os contatos na comunidade em que estão inseridos, a comunicação social, os amigos e a família, são hoje elementos mais importantes que a escola na formação do indivíduo, no desenvolvimento das suas capacidades e atitudes;
- o desenvolvimento da comunicação audiovisual e das novas tecnologias da informação contribuíram decisivamente para a obsolescência de uma pedagogia centrada no professor, que utiliza exclusiva ou principalmente manuais escolares como fonte de conhecimento, ou mesmo que só usa estes fins a palavra impressa. O espaço e o tempo pedagógico são também profundamente alterados; a sala de aula passa a ser apenas um entre muitos locais, na escola e fora dela, onde as experiências de aprendizagem têm lugar, o tempo letivo é igualmente diluído por um sem número de oportunidades em que o aluno, mais ou menos acompanhado, vive situações estimulantes e enriquecedoras;
- há muito tempo já que a preocupação principal de todas as ciências parece ser destruir postulados previamente tidos como certezas. A relativização do conhecimento científico introduz a incerteza no campo da educação e sublinha o valor da pesquisa individual e do desenvolvimento das capacidades de manuseamento da informação. Aprender é cada vez menos memorizar conhecimentos e cada vez mais preparar-se para saber encontrar, avaliar e utilizar. A capacidade de atualização passa a ser uma ferramenta essencial ao indivíduo se quer sobreviver numa sociedade de verdades relativas e efêmeras."
 A biblioteca é uma das forças educativas mais poderosas de que dispõem estudantes, professores e pesquisadores. O aluno deve investigar, e a biblioteca é o centro de investigação tanto como o é um laboratório. O desejo de descobrir o que há nos livros, geralmente, existe nas crianças. A escola deve desenvolvê-lo, utilizando os espaços da biblioteca. (Silveira, 1996)
 Segundo Viana & Almeida (1993) o uso adequado do livro e da biblioteca são imprescindíveis para a realização de uma pesquisa satisfatória, cuja prática, incentivada, contribui para que o estudante busque, também, respostas para indagações pessoais, amplie  seus conhecimentos, forme sua própria opinião, garantindo seu espaço na sociedade.
 Calixto  (1996) menciona que "no limite, mas sem exagero, o que se poderá dizer é que sem biblioteca escolar não há escola moderna nem Reforma do Sistema educativo."  Complementando a citação pode-se dizer que é necessário  a presença do bibliotecário escolar capaz de atuar como agente mediador, um profissional consciente de sua função de educador, com experiência didática e criativa, que saiba manter um bom relacionamento com o corpo docente e que esteja preparado para oferecer programas de treinamento em pesquisa bibliográfica e  incentivo a leitura, através da hora do conto para crianças do ensino fundamental.
  A hora do conto é uma  das atividades  realizadas com  a finalidade de despertar nas crianças o interesse maior para explorar o mundo mágico da leitura.
 A literatura infantil, é fundamental para a formação da criança. Ler e contar histórias é uma forma de desenvolver o gosto pela fantasia, incentivando aspectos que dizem respeito ao seu potencial criativo.
 O gosto literário da criança  pode ser estimulado  introduzindo o livro, desde cedo, nas suas brincadeiras. Quando a criança ainda não lê, é bom que alguém lhe conte histórias. Poderá ser o primeiro passo para que mais tarde a criança tenha o gosto pela leitura. (Silveira 1996)
 Silveira (1996, p. 11) diz que "a seleção de histórias para serem oferecidas na Hora do Conto segue alguns critérios que são básicos. A estrutura da narrativa é bom que seja linear. Desaconselham-se as efabulações, comuns na ficção moderna. O conto foi feito para interessar de modo progressivo. A ação deve ser ininterrupta e crescente para  desenvolver com presteza e terminar com um final efetivo".
 Os contos de fada dirigem a criança para a descoberta de sua própria identidade e também sugerem as experiências que são necessárias para desenvolver ainda mais o seu caráter. "Eles alimentam a imaginação e estimulam as fantasias, pois nem todos os nossos desejos podem ser satisfeitos através da realidade. Daí a importância da fantasia como recurso adaptativo. Na seleção de histórias para serem oferecidas na hora do conto, é importante incluir contos de fadas". (Silveira, 1996, p. 12)
 A leitura não só desperta na criança o gosto pelos bons livros e pelo hábito de ler como, também, contribui para despertar a valorização exata das coisas, desenvolver suas potencialidades, estimular sua curiosidade, inquietar-se por tudo que é novo, ampliar seus horizontes e progredir.
  A biblioteca infantil ou escolar deveria ter como  uma atividade de rotina ler histórias para crianças. Conforme Silveira (1996) é importante existir a cumplicidade entre a criança e o contador de histórias, do ponto de vista afetivo, porque a ilustração e o texto ajudam o acesso ao mundo dos adultos. A técnica da narrativa é defendida por alguns autores. Para que esta tarefa tenha êxito é necessário um preparo prévio da pessoa que vai ministrá-la. O contato da criança com o livro necessita ser compartilhado com alguém que o aprecie.
 Ao encarregado desta tarefa sugere-se levar em conta alguns princípios elementares requeridos, como: extensão da narrativa (de acordo com a idade das crianças), suspense; inflexão da voz; linguagem a ser usada; gestos; atenção dos ouvintes, escolha do tema; lugar da reunião e demais recursos para conseguir o clima adequado. (Silveira, 1996)
 Silveira (1996) afirma que "ajudando a criança a compreender seus próprios problemas, estimulando a imaginação, promovendo o desenvolvimento lingüístico, suscitando o gosto pelas boas leituras e recreando, o bibliotecário escolar centra seu trabalho num aspecto essencialmente educativo, cumprindo uma função de importância relevante, a busca do leitor, pois é a biblioteca que muitas vezes deve ir ao encontro dele".
 Em contrapartida a esta colocação  Sanches Neto (1998,  p. 2) acredita que "o papel da escola é criar estruturas, através de uma biblioteca muito bem equipada, para que o eventual leitor se forme numa relação livre com os livros, fazendo por conta própria as escolhas que lhe forem mais adequadas. Uma destas escolhas é justamente não ler. Não devemos querer transformar todos os leitores profissionais. Isto é uma utopia risível. O fundamental é facultar àquele que é um leitor em potencial as condições para que desenvolva o que traz consigo".
 Acreditando na importância da leitura, o estímulo através da concretização do hábito de leitura na formação das crianças espera-se contribuir com atividades desenvolvidas nas Bibliotecas Escolares.
 Como bem retratou Silva (1995) a miséria da Biblioteca Escolar é lamentável, o que ocorre especialmente nas escolas publicas brasileiras. Sabe-se que cada contribuição por menor que seja, representa esforço para uma cidadania responsável.
 

4 RELATO DAS ATIVIDADES

 Como procedimento de trabalho, iniciava-se as atividades nas escolas, realizando um estudo  das condições da biblioteca e da escola, constatando-se que:
· os usuários são alunos, professores e funcionários;
· o acervo  existente nas bibliotecas, na sua maioria são provenientes de doações, pois as escolas não alocam recursos financeiros para as bibliotecas;
· professores resistentes a utilização do acervo e dos serviços da biblioteca como recurso de ensino-aprendizagem;
· a existência de preconceito em relação ao profissional bibliotecário; e,
· alunos e professores tem uma visão da biblioteca como um local de castigo.
 As atividades desenvolvidas no decorrer da realização do projeto foram as seguintes: reuniões sobre a estrutura da escola/biblioteca; revisão da literatura infanto-juvenil e sobre biblioteca escolar; campanha de doação de livros para a biblioteca; trabalho de conscientização da importância do hábito de leitura e da biblioteca;  visita a feira do livro no Serviço Social do Comércio - SESC;  confecção de papel reciclado; atividades de incentivo a leitura: hora do conto, dramatização, dobraduras, maquetes,  desenhos ilustrativos ao tema da história, confecção de livro infantil e orientação bibliográfica.
 

5 RESULTADOS

 Durante o desenvolvimento das atividades nas bibliotecas escolares, observou-se uma mudança do tratamento dos professores sobre a biblioteca escolar. A biblioteca escolar passou a ser vista como um local de aprender e que existe para se obter informação e conhecimento.
 Foi possível verificar a mudança de preconceitos existentes referente aos serviços prestados pelo profissional bibliotecário, onde se destaca o envolvimento deste profissional com o processo pedagógico existente na escola, onde todos podem colaborar.
 Cabe salientar o dizer da bibliotecária Angela Leite que "uma das formas de conquistar os professores, tanto para credibilidade da atuação  do profissional da biblioteconomia, como para que o professor seja um freqüentador e colaborador na biblioteca escolar, é sugerir uma série de idéias ao professor de como utilizar a literatura infanto-juvenil".
  Houve, portanto, uma conscientização da importância da leitura, principalmente através da hora do conto, pois esta atividade estimula a criatividade e torna o aluno mais crítico.
 

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 É necessário realizar  atividades integralizadoras com os professores das escolas, pois estes são:
· o maior elo motivador da leitura para crianças, após as influências familiares, na escola. Portanto, estimulando, criando e incentivando o hábito de leitura e consequentemente o uso de bibliotecas escolares pelos alunos de 1º e 2º graus.
· condições de exemplo no uso de bibliotecas, favorecem o estímulo aos alunos para utilizarem também a biblioteca;
· o elo entre biblioteca, livros e alunos, repercutindo também numa seleção de materiais bibliográficos mais adequados para a Biblioteca Escolar;
· colaboradores em potencial, juntamente com os bibliotecários das Bibliotecas Escolares;
 Pode-se mostrar a todos os integrantes das escolas, a importância da leitura na formação de um cidadão. Assim sendo, a biblioteca passou a ser um elo de ligação entre alunos e professores, tornando-se uma importante ferramenta de ensino-aprendizagem.
 O hábito da leitura deve ser estimulado nos primeiros anos de vida escolar. Porém é impossível negar que a maioria das escolas lamentavelmente ainda não possuem infra-estrutura desejável para a conscientização do hábito da leitura.
 

7 FONTES BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Araci Isaltina de. Atividades de incentivo à leitura em bibliotecas escolares: biblioteca do Colégio Estadual Simão Hess. Florianópolis, 1997. (Relatório do projeto de extensão - Departamento de Biblioteconomia e Documentação da UFSC)
BLATTMANN, Ursula. Atividades de incentivo à leitura em bibliotecas escolares: biblioteca da Escola Desdobrada Jacinto Cardoso. Florianópolis, 1996. (Relatório do projeto de extensão - Departamento de Biblioteconomia e Documentação da UFSC)
CALIXTO, José  Antônio. Biblioteca pública versus biblioteca escolar: uma proposta de mudança. Cadernos BAD, Lisboa, n. 3, p.57-67, 1994.
FREITAS, Maria Terezinha N. et al. Educação pela leitura: uma experiência. Perspectiva, Florianópolis, v.3, n. 7, p. 26-40, jun./dez. 1986.
MAYRINK, Paulo Tarcísio. Diretrizes para a formação de coleções de bibliotecas escolares. In:  CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 16., 1991, Salvador. Anais...  Salvador: Associação Profissional dos Bibliotecários do estado da Bahia, 1991. 2 v., v. 1, p.  304-314.
RIBEIRO, Maria Solange Pereira. Desenvolvimento de coleção na biblioteca escolar: uma contribuição a formação crítica sócio-cultural do educando. Transinformação, Campinas, v. 6, n.1/3, jan./dez. 1994
SANCHES NETO, Miguel. Desordenar uma biblioteca: comércio & industria da leitura na escola. Revista Literária Blau, Porto Alegre, v. 4, n. 20, p. 20-24, mar. 1998.
SILVA, Waldeck Carneiro da. Miséria da biblioteca escolar. São Paulo: Cortez, 1995.
SILVEIRA, Itália Maria Falceta da. Ensinar a pensar: uma atividade da biblioteca escolar. R
     Bibliotecon. & Comun., Porto Alegre, v. 7, p. 9-30, jan./dez. 1996.
VIANA, Maria Cecília Monteiro, ALMEIDA, Maria Olívia de. Pesquisa escolar: uso do livro e da biblioteca. São Paulo : [ s. n.], 1993.
Este documento foi disponibilizado na WWW em 20/10/98 sob endereço
http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/leitura.html
Copyright © 1998 Araci Isaltina Andrade e Ursula Blattmann

Divulgado: II Jornada Norte/norteste de Biblioteconomia e Documentação e I Seminário Norte/norteste de Bibliotecas Escolares, Recife 13-17 de setembro de 1998 ( URL: http://seict.facepe.pe.gov.br/jornada/leitura.htm)e no Congresso de Naturologia, Florianópolis, novembro de 1998.

ANDRADE, Araci Isaltina de, BLATTMANN, Ursula. Atividades de incentivo à leitura em bibliotecas escolares: relato de um projeto. Apresentado na II Jornada Norte/norteste de Biblioteconomia e Documentação e I Seminário Norte/norteste de Bibliotecas Escolares, Recife 13-17 de setembro de 1998. 14 p. Disponível WWW, URL: http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/leitura.html

 
 
Endereço de página espelhada  Geocities:
http://www.geocities.com/CollegePark/Residence/1163/papers/leitura.html
Última atualização realizada em 05/08/1999 por Ursula Blattmann
Endereço original no
Centro de Ciências da Educação:
 http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/leitura.html
Disponibilizado em 20 de outubro de 1998
 
Voltar Ursula BlattmannUniversidade Federal de Santa Catarina -   Webmaster: ursula@ced.ufsc.br
Departamento de Ciência da Informação
Campus Universitário - Trindade
88040-900 - Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
Telefone 55 - 048 - 331 9304
Copyright © 1998-1999 - Ursula Blattmann-e-mail: ursula@ced.ufsc.br  & Gleisy R. B. Fachin  e-mail: gleisy@ced.ufsc.br
Atualizada em 03/06/1999 por Ursula Blattmann