Periodicidade Semestral - Número 10 - Julho/Dezembro de 2004
(Página melhor visualizada com a resolução 800X600)

 

SEÇÃO RESENHA
 

botão de retorno à página do último número da revista


ACOMPANHE NESTA SEÇÃO:

Livro: Paulo Freire (1993), "Professora sim tia não: cartas a quem ousa ensinar."
Freire, Paulo (1993). Professora sim, tia não: Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho D’água, 127 p. Review by Elizete Delima Carneiro and Mara Cristine Maia dos Santos (UNILASALLE) De:
(In: La Salle: Revista de Educação;, Ciência e Cultura/Centro Educacional La Salle de Ensino Superior (CELES), v. 4, n. 1 (Outono de 1999). Reproduced with permission.)
 
POR: Anatália Matos


        Freire introduz Professora sim, tia não procurando, através do enunciado, exigir um primeiro empenho à compreensão e entendimento não apenas do significado de cada uma das palavras que compõem o próprio enunciado, mas também sobre "o que elas ganham e perdem, individualmente, enquanto inseridas numa trama de relações" (p. 9). Assim, dividindo o enunciado em três blocos (a) professora, sim, (b) tia, não e (c) cartas a quem ousa ensinar, enfatiza a tarefa do ensinante, que requer comprometimento e gosto "de querer bem não só aos outros, mas ao próprio processo que ela implica" (p. 9) e sobre a impossibilidade de ensinar sem ousar. Ousar para "falar em amor", para que estudamos, aprendemos, ensinamos e conhecemos com o nosso corpo inteiro (...) para jamais dicotomizar o cognitivo do emocional (...) para ficar ou permanecer ensinando por longo tempo nas condições que conhecemos, mal pagos, depreciados e resistindo ao risco de cair vencidos pelo cinismo (p. 10).

        Em sua análise sobre Professora, sim, tia, não, apresenta sobre tudo duas razões. De um lado o de evitar uma compreensão distorcida sobre a tarefa profissional do professor. De outro, o de ocultar a ideologia repousada na falsa identificação.

        A tentativa de reduzir a professora à condição de tia é uma inocente armadilha ideológica em que, tentando-se dar a ilusão de adocicar a vida da professora, o que se tenta é amaciar a sua capacidade de luta, entretê-la no exercício de tarefas fundamentais (p.25).

        Segue sua análise através das "cartas a quem ousa ensinar", expondo questões fundamentais sobre os que fazeres acima de tudo político-pedagógicos. Dessa forma, convida a questionar e a pensar sobre o ato de escrever puramente mecânico e o ato de pensar ordenadamente.

        O texto, "embora simples", tem a intenção de mostrar a tarefa do ensinante que é também a de ser aprendiz, sendo preciso para isso ousar, o aprender a ousar, para dizer não à burocratização da mente a que nos expomos no dia-a-dia. Segundo Freire, é preciso ousadia ao próprio fato de se fazer professor, educador, que se vê responsável profissionalmente pela formação permanente. Nesse sentido, não se quer desmoralizar ou desvalorizar a figura da tia, mas questionar a desvalorização profissional, que vem acontecendo há décadas, de transformar a professora num parente postiço.

        A posição de luta democrática que os professores testemunham a seus alunos, dentro dos valores da democracia apresenta-se em três exigências: que a luta jamais se transforme em luta singular e individual, que se desafiem os órgãos da categoria para a luta e que haja sempre a formação permanente e que acima de tudo o educador esteja aberto à avaliação da prática.

        Como educadores e educadoras somos políticos, fazemos política ao fazer educação. Se sonhamos com a democracia, que lutemos, dia e noite, por uma escola em que falemos aos e com os educandos, para que, ouvindo-os, possamos ser por eles ouvidos também (p. 92).

        Vale a pena ler as cartas e refletir sobre elas, dando atenção especial a cada uma delas, pois a leitura crítica dos textos e do mundo tem a ver com mudança em processo. É preciso, então, compreender o processo do estudar, do ler, do observar, do reconhecer, do ensinar e do fazer.

        É preciso que os educandos, experimentando-se criticamente na tarefa de ler e de escrever, percebam as tramas sociais em que se constituem e se reconstituem a linguagem, a comunicação e a produção do conhecimento, fazendo da escola espaço de reflexão e conscientização. "A escola, em que se pensa, em que se atua, em que se cria, em que se fala, em que se ama, se adivinha a escola que diz sim à vida.. E não a escola que emudece e me emudece" (sic) (p.63).

        Paulo freire ainda convida a um aprofundamento sobre a educação nos aspectos quantitativos e qualitativos; abordando também o problema dos salários dos professores, que são muitas vezes insignificantes, refletem a imagem de sua desvalorização pela sociedade. Surge dessa forma a necessidade de esclarecer a opinião pública sobre a situação em que se encontra o magistério. "Nenhuma sociedade se afirma sem o aprimoramento de sua cultura, da ciência, da pesquisa, da tecnologia, do ensino. Tudo isso começa com a pré- escola" (p. 53).

        As cartas também resgatam algumas das qualidades indispensáveis aos educadores e educadoras. Alguns questionamentos se fazem presentes, sobre os quais vale refletir com a sociedade: que é ensinar? que é aprender? que compreensão temos de mundo? fazemos política ao fazer educação? o diferente de nós é superior ou inferior a nós? como deve ser a escola democrática?

        Ao ler as cartas, é importante sabermos que o saber tem tudo a ver com o crescer, e que o crescer insere os sujeitos em um movimento dinâmico... "A imobilidade no crescimento é enfermidade e morte" (p. 125). "O saber tem tudo a ver com o crescer. Mas é preciso, absolutamente preciso, que o saber de minorias dominantes não proíba, não asfixie, não castre o crescer das imensas maiorias dominadas" (p. 127).

        Enfim, nessa obra, Paulo Freire vem a enfatizar a importância de que professores se conscientizem e se desvencilhem da ideologia que manhosamente quer distorcer sua tarefa profissional. Assim, esclarece, orienta e incentiva professoras e professores a assumirem o papel político-social que desempenham. Sendo a educação ato político, requer comprometimento tanto na luta política, quanto nas reivindicações do corpo docente e na formação de cidadãos realmente críticos e atuantes.

  VOLTAR AO INÍCIO DESTA RESENHA


CONVIDAMOS VOCÊ PARA NAVEGAR
PELA NOSSA REVISTA
 


Relatos

Resenha

Entrevista

Cotidiano

Artigos

Curiosidades

SUMÁRIO

SUMÁRIO GERAL DE ARTIGOS

EXPEDIENTE


Números Anteriores

Número 1     Número 2   Número 3   Número 4   Número 5    Número 6  Número 7

Número 8  Número 9


logotipo do NEE0A6 Visite:

Núcleo de Estudos e Pesquisas da Educação de 0 a 6 anos

CED  -  Centro de Ciências da Educação


Universidade Federal de Santa Catarina


botão de retorno à página principal do último número da revista

EXPEDIENTE

 
A revista Zero-a-seis propõe-se a ser um espaço de divulgação das atividades de estudo e pesquisa da Educação de 0 a 6 anos. O material que circula aqui tem sido produzido principalmente por professores, alunos de graduação e de pós-graduação que militam no do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Educação de 0 a 6 anos (NEE0A6) da UFSC/CED, mas conta também com a colaboração de professores e alunos de outras instituições, bem como divulga matérias de interesse que circulam na internet.
 
A revista Zero-a-seis aceita colaborações que devem ser encaminhadas  para o endereço: zeroseis@ced.ufsc.br com a respectiva identificação do(s) autor(es) e instituições. Após exame realizado pelo conselho editorial da revista, o material recebido poderá ser publicado na forma em que foi enviado ou com alguma alteração no formato. As opiniões emitidas nos artigos assinados é de responsabilidade dos respectivos autores.

Organizador responsável pela presente edição:

Profº. João Josué da Silva Filho

Cooperação
:
Carolina Gonçalves de Freitas , pedagoga, responsável pela criação do lay-out das páginas e pela edição na internet.

Colaboração (bolsistas do NEE0A6):
Graziela Pereira da Conceição (Iniciação Científica);

Giselle Börger Brand (Iniciação Científica);
Andresa Lidiane Bona (monitora).

Os autores dos textos e matérias inseridos no presente número encontram -se declinados em  em cada matéria específica.

A idéia original da publicação desta revista é da profa.  Eloisa A.C. Rocha que permanece a discutir os temas e a seleção dos assuntos.
 

CONSELHO EDITORIAL


VOLTAR AO INÍCIO DA PÁGINA

A reprodução das matérias é permitida desde que seja citada a fonte.
 


Webmaster:
Prof. João Josué da Silva Filho